Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


deixem passar o rapaz

por jorge c., em 09.10.14

A partir do momento em que Júlio pisou a areia e começou a correr era tarde demais. Da decisão ao primeiro impulso passaram milhões de átomos que o tempo relativizou numa câmara lenta de pernas decididas e sólidas no chão, de joelhos de mecânica perfeita, o tronco hirto e o olhar focado no alvo. O risco é mais reduzido para quem aqui anda há muito. A poucos metros já tinha a garantia da eficácia do movimento. Seguiu confiante. Aprendeu com os mais velhos, observou e arriscou tantas vezes que só a mão de Deus o poderá ter guardado quando um dia, numa dessas largadas manhosas, quase foi agarrado contra as tábuas. No momento em que se preparava para citar o toiro, um homem que se escondia num burladero ali perto lançou uma lata de cerveja vazia que acabou por bater com estrondo no lancil descoberto do passeio, desviando a atenção do bicho para o lado contrário, no preciso instante em que Júlio cruzava o piton direito. Não pense o leitor que me confundo nos tempos - foi tudo de repente. À sua passagem remediada, o toiro arrancou-se na sua direcção, baixando a cara para o levantar pelo tornozelo com o piton esquerdo até ao céu infinito onde se sentiu a levitar, como se o mesmo Deus que o guardou, o estivesse agora a levar. Não ouviu mais nada. Durante um ano ninguém lhe pôs a vista em cima. Apareceu ontem com um pano na mão e passou em frente ao toiro como se nada tivesse acontecido.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Correio

bordadauga@gmail.com


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

turistas