Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


o bairro

por jorge c., em 20.06.14

Pelo final do dia, dexei a cidade para trás, entusiasmada com o jogo e na euforia do início de verão. Subi a encosta a cambalear para casa, numa subida espiral e lenta, exausto dos dias e das coisas que os dias trazem, sem encarar os prédios que se erguem esguios como se se estivessem a inclinar para os céus. Os prédios são espinhos no meu cenário e o meu bairro uma nuvem negra sobre a cidade. Pela noite, o silêncio dos montes suspende a fealdade das ruas e a vida adormece proletária. Não havia sentido, até ontem, o coração do bairro. Sentei-me, como sempre, numa cadeira de verga a fumar as horas que faltavam. Pela janela entrou um som até então estranho. Uma mulher dirigiu-se às ruas, da sua janela.

- Mariana, olha as horas!

Eram, agora, 22h30 de uma noite de verão. Cheguei-me à janela e fiquei a olhar para a rua. O bairro acordou do coma e as crianças brincavam cá fora. Mais à frente, dois homens passeavam os cães e ainda se ouvia o ruído do café. O bairro era bairro outra vez, como o fora no tempo das centenas de pessoas que chegavam desnorteadas daquele invernoso retorno e que aqui recomeçaram, para regressar à vida, à tona, para respirar, para voltar a ser gente e ser bairro de gente e de vida que é vida decente. 

Estendi-me na cama e os olhos fecharam-se, suavemente. Acabei por adormecer e pouco me lembro dos sonhos. O dia seguinte começou tranquilo.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Correio

bordadauga@gmail.com


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

turistas