Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


o outro

por jorge c., em 11.11.14

Quando voltou as costas para regressar a casa, Graciano olhou ligeiramente para trás e pediu desculpa. Não era com intenção de ofender que brincava com Paulo por este viver na grande muralha de edifícios no sul do concelho. Quando chegava à escola, sabia que o amigo acordava cedo, no meio do betão, e vinha a correr para Vila Franca para respirar alegria, apesar de nunca dar parte fraca. Todos os dias, a conversa sobre a arrogância da provinciana capital de concelho e a arrogância da suburbanidade descaracterizada haveria de aparecer. Mas naquele dia viu o amigo triste. Tudo era cinzento. Como podia aquela grande muralha tapar o sol da vida, separar as mãos e quebrar os rostos no fim do dia? Na época das festas, Paulo não brincava nas ruas com os toiros e raramente aparecia. Tantas foram as vezes que Graciano o tentou aproximar... Se calhar estava na altura de aceitar ser convidado. Olhou para trás e pediu desculpa.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Correio

bordadauga@gmail.com


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

turistas